Ventosaterapia

Uma das mais utilizadas práticas de cura de civilizações antigas, simples e eficiente, de fácil aplicação, convive ainda hoje com a medicina ocidental em hospitais e centros médicos de todo o mundo: a ventosaterapia. Trata-se do método de utilização de ventosas, empregado — de acordo com a história da medicina — por quase todos os médicos da Roma antiga e que considera a estimulação sensorial e neurológica essencial para prevenir e curar vários problemas de saúde.

Assim como a acupunctura, a ventosaterapia também parte do princípio do equilíbrio de energias dos meridianos, ou seja, trabalha identificando pontos de desequilíbrio no organismo e desobstruindo os canais que levam a energia vital até os órgãos necessitados. Na prática, estímulos externos são realizados por uma espécie de vaso ou copo cónico de vidro ou de metal, aplicado sobre a pele e no interior do qual se rarefaz o ar com estopa queimada ou por outros processos a fim de determinar uma violenta aspiração que produza uma revulsão na parte doente do corpo a que se aplica.